AS 50 COISAS QUE NINGUÉM ME CONTOU SOBRE MATERNIDADE

  • Que antes do amor tomar conta, muitas vezes, o que toma conta primeiro é o choque;
  • Que sair da maternidade e encarar o mundo com um bebê nos braços é assustador;
  • Que quando chegamos em casa, simplesmente não sabemos o que fazer com o bebê;
  • Que o leite pode demorar para descer;
  • Que amamentar pode doer (muito);
  • Que trocar fralda e dar banho podem não ser tarefas tão difíceis como imaginamos (ou se tornam fichinha perto do resto);
  • Que nunca nos sentiremos tão inseguras na vida;
  • Que vamos chorar, muito, nos primeiros dias;
  • Que ter quatro horas de sono diárias é um luxo;
  • Que comer uma refeição quente é outro luxo;
  • Que apesar de mortas, vamos nos negar a dormir;
  • Que, simplesmente, não conseguimos nos separar daquela coisa minúscula e apaixonante (é visceral);
  • Que dificilmente vamos conseguir cumprir o que foi planejado;
  • Que vamos perder o controle;
  • Que a nossa casa vai virar um caos;
  • Que vamos nos pegar fazendo coisas que jamais imaginamos (e juramos, de pés juntos, não fazer);
  • Que vamos pagar a língua;
  • Que também vamos pedir colo;
  • Que vamos orar, pedir, implorar e fazer promessa;
  • Que vamos esquecer de comer e de ir ao banheiro;
  • Que vamos passar o dia de pijama;
  • Que vamos passar dias sem sequer lembrar que cosméticos e maquiagem existem;
  • Que vamos ficar meses sem fazer a unha;
  • Que vamos ficar quase carecas;
  • Que nossa memória vai para o beleléu;
  • Que choro pode ser a coisa mais desestabilizante do mundo (será que alguém já pensou em empregá-lo como técnica de tortura? Fica a dica!);
  • Que vamos deixar o pediatra louco de tanto ligar;
  • Que vamos colocar o peito para fora na frente de quem quer que seja (e nem perceber);
  • Que vamos esquecer o peito de fora em muitas situações;
  • Que cólicas de bebê podem aparecer não só uma, mas duas vezes ao dia;
  • Que dar comida para um bebê pode ser uma das tarefas mais desafiadoras do universo;
  • Que vamos querer ficar sozinhas;
  • Que vamos querer, desesperadamente, ajuda;
  • Que vamos começar a ter ainda mais medo do futuro;
  • Que vamos ter vontade tacar fogo em todos livros sobre maternidade que lemos;
  • Que vamos ter que enfrentar muitos, mas muitos, muitos, muitos palpites;
  • Que vamos ter vontade de fugir do país (algumas vezes sem o filho);
  • Que há gente sem noção. Muuuuuuuito sem noção;
  • Que vamos ter que nos controlar para não matar alguém;
  • Que vamos nos tornar ciumentas e extremamente possessivas (mas que também passa);
  • Que vamos levar mais tempo do que imaginávamos para voltar à nossa antiga forma e peso (ou que isso poderá acontecer muito antes do que pensamos);
  • Que os dias não passam, mas que as semanas e meses voam;
  • Que sempre que acharmos que algo está resolvido, muda tudo de novo;
  • Que não há felicidade que sempre dure, nem há mal que nunca acabe;
  • Que entenderemos nossas mães como nunca na vida;
  • Que aprendemos, como nunca na vida, a sermos fortes e corajosas;
  • Que descobrimos ter uma força sobre humana;
  • Que as coisas passam a ter o seu real sentido e significado;
  • Que nunca mais seremos as mesmas;
  • E que tudo, tudo, tudo, tudo, tudo, vale a pena. Cada instante. Por mais difícil que seja.

Por Shirley Hilgert, autora do blog Macet